O corpo impossível, Eline Robert Moraes

A dica de hoje é o livro O corpo impossível de Eliane Robert Moraes


Ele é dividido em 3 partes com vários capítulos. Minha edição é da Iluminuras de 2012 e conta com ilustrações em preto e branco.


Recomendo esse livro para quem quer pensar e entender mais sobre a desconstrução e fragmentação do corpo humano na arte moderna, da qual a arte contemporânea é herdeira.

Moraes reflete que, em um mundo onde o corpo pode ser tomado como uma unidade material mais próxima ao homem, ele foi imediatamente atacado e fragmentado na arte. Relembra que a estética modernista tinha como objetivo destruir o realismo do corpo.

Moraes relembra que a geração surrealista operava um desejo de decomposição e fragmentação, sendo esta última observada na obra de René Magritte, Evidência Eterna, de 1930.

Afirma que a anatomia modernista desfigurava a forma humana, e não a fixava de forma estável. E que esse interesse pela anatomia humana era proporcional ao desejo de destruí-la.

Pensando também nos objetos surreais, a autora afirma que ao tempo em que o produto industrial era criado para ser funcional, o surrealismo buscava o contrário, liberando os objetos de sua função, os colocando numa esfera do imaginário e do desejo.

Escreve sobre as combinações que surgiram entre o ser humano e uma infinidade de outros seres e matérias. A figura humana se bestializa, dando forma a seres híbridos. E essa formação de novos seres amplia o processo combinatório de justaposição de distintas realidades, ou seja, multiplica formas. 

Diz que quando a arte toma para si desígnios que antes eram reservados para a religião, quando a arte passa a tentar responder à inquietações e penetrar fundo nas coisas, ela deixa de propor imagens indiferentes, e simplesmente belas, para então fazer transparecer o mundo. 

E diz que O homem moderno procura na arte o mesmo que busca na farmácia: remédios bem apresentados para doenças confessáveis. 

O livro O corpo impossível comenta sobre essa estética desumana, que emergiu através da experiência de guerra, de uma oposição aos discursos humanistas e das fronteiras entre o humano e o inumano. Rememora principalmente o surrealismo e a decomposição humana, mas também artistas e escritores que vieram antes desse período.    

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: