A missão da arte por Balzac

Em A obra-prima desconhecida ou A obra prima ignorada (depende da tradução/edição), Honoré de Balzac escreve uma ficção onde o jovem artista Porbus, recém chegado na cidade, recebe algumas lições de um artista ancião, este, com muito mais experiência.

Você concorda com o que disse o ancião ao jovem artista?

Esse texto de Balzac tem duas versões traduzidas para o português atualmente. Uma como um apêndice do livro A pintura Encarnada de Georges Didi-Huberman, outra uma publicação sozinha, seguida de reflexões de Teixeira Coelho.

Ambas as publicações tomam parte da literatura para pensar a arte.

A PINTURA ENCARNADA – SINOPSE: A pintura Encarnada é texto inaugural na obra de Georges Didi- Huberman. Desde então, firmou-se como um teórico particularmente interessado em “interrogar o tom de certeza que impera tão frequentemente na bela disciplina da historia da arte”. Neste estudo, ele recupera um texto literário como matriz historiográfica de ancestrais questionamentos sobre a arte. Contudo, a literatura não é aqui mero depositário das tópicas, consequente chave interpretativa para os sintagmas da pintura. Mais que simplesmente metaforizar uma leitura que se pretende arborescente, ela ajuda a pôr em pauta uma constelação de sentidos (do sema, da aisthesis, do pathos), para além dos modelos teóricos hegemônicos, que desconsideram as circulações entre elementos visuais contraditórios.

COMPRE AQUI

A OBRA PRIMA IGNORADA – SINOPSE: Jovem artista visita um mestre da pintura. Um inesperado encontro com um pintor ainda mais importante coloca-o diante de sério dilema envolvendo a mulher que ama. Seu futuro na arte e na vida depende da opção que fizer. E sua ação coloca em xeque a carreira do grande artista. Este poderia ser um comum enredo literário. A obra-prima ignorada tornou-se, porém, emblemática dos desejos e tormentos do artista obcecado com sua obra, em busca da perfeição, e dividido quanto ao que fazer com sua vida pessoal. Em posfácio, um ensaio de Teixeira Coelho explora o universo de ideias e sensibilidades desta novela do criador de A comédia humana. Trazendo a discussão para o cenário da arte atual, este texto discute temas ligados à arte moderna e contemporânea e destaca o papel do Romantismo como princípio ainda ativo da estética e da vida. Saber se o que fez é bom e inovador ou, pelo contrário, um desastre irreparável, constitui um drama constante para os que têm na arte a razão de viver. E saber se há algo da vida, como o amor por uma pessoa, que pode ser sacrificado à arte é outro desses temas recorrentes. A obra-prima ignorada pode ser lida como uma episódica história de amor e frustração e como metáfora das questões que envolvem o surgimento de toda arte nova. Balzac escreveu esta novela como encomenda recebida de uma revista literária que buscava oferecer a seus leitores apenas algo que estivesse na moda. Ela se tornou, no entanto, uma das mais marcantes do gênero. Misturando personagens reais da história da arte a outros fictícios (mas em tudo verossímeis), Balzac criou uma narrativa intensa, habitada pelas forças da vida sensível tanto quanto pela especulação estética. O conflito entre o amor e a arte, entre a vida pessoal e a profissional, a escolha de uma esfera da vida a sacrificar para que uma outra se afirme e a possibilidade de ser ou não feliz em ambas ou em todas elas são temas tão centrais nesta novela como as ideias sobre arte que nela expõem seus personagens. O resultado é um texto rico e ambíguo onde cada um pode ver, quase, sua verdade pessoal e diante do qual o próprio autor hesitou. O impacto de A obra-prima ignorada foi forte e duradouro. Cézanne, precursor do cubismo e nascido depois da publicação da novela, dizia que o texto falava dele. E Picasso, que admirava esta história e a ilustrou, não menos identificado com a história ali narrada, foi instalar-se no mesmo local mencionado na novela como sendo o do ateliê nela descrito e ali pintou uma de suas maiores obras, Guernica, hoje em Madri. O cineasta francês Jacques Rivette dela extraiu em 1991 um filme marcante, La Belle Noiseuse (intitulada em português A bela intrigante). Este volume inclui um ensaio de Teixeira Coelho preparado para esta edição e que parte da novela de Balzac para penetrar no emaranhado de ideias sobre a arte, o Romantismo e a vida, naquela época como agora, na literatura como em outros domínios.

COMPRE AQUI

#balzac #honoredebalzac #aobraprimadesconhecida #aobraprimaignorada #didihuberman #teixeiracoelho #arte

Gosta de arte? Conheça o curso online sobre arte contemporânea:

Você quer entender sobre arte contemporânea e não sabe por onde começar?

Você já conhece a arte contemporânea, mas quer aumentar o seu repertório de obras e artistas, entender mais sobre conceitos de uma maneira descomplicada?

Narrativas da Arte Contemporânea foi produzido por quem entende 100% do assunto:

  • Tenho 15 anos de experiência na área de artes visuais, sendo metade dedicados à linha de pesquisa de Teoria e História da Arte. Terminei meu mestrado em 2015 e o doutorado em 2019 na UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina.
  • Meu mestrado e doutorado foram sobre arte contemporânea.
  • Sou crítica de arte associada da ABCA – Associação Brasileira de Críticos de Arte.
  • Dou cursos livres presenciais e online, publico artigos científicos, faço mentoria com artistas.
  • Criei o Lendo a História da Arte com a missão de levar conteúdos de qualidade para a internet.

Um comentário em “A missão da arte por Balzac

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: