Aby Warburg e a Renovação da Antiguidade pagã

Este livro compila os principais textos de Aby Warbug traduzidos para o português.

“A renovação da antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu” é um compêndio de quase 700 páginas de textos mais “simples” aos mais complexos do pensamento de Warburg.

O pensamento de Warbug influenciou o pensamento dos historiadores a partir do século XX e sua tese sobre a presença da antiguidade pagã no renascimento fez a história da arte e das imagens serem repensadas.

No livro, Warburg parte de obras como as de Botticelli e Dürer, mas perpassa a história da cultura em amplas perspectivas.

O livro é dividido em 6 partes:

1. A Antiguidade na cultura burguesa florentina

2. O intercâmbio entre as culturas florentina e flamenga

3. A Antiguidade e o presente na vida festiva do Renascimento

4. A Antiguidade italiana na Alemanha

5. Os deuses olímpicos como demônios astrais

6. Escritos circunstanciais político-culturais

SINOPSE: “Assim como Max Weber para as ciências sociais, Sigmund Freud para a psicanálise e Albert Einstein para a física, Aby Warburg permaneceu um desafio constante para a história da arte e da imagem. Se o século XX foi o século da imagem, então Warburg é um de seus pesquisadores extraordinários.”

Horst Bredekamp e Michael Diers

Para se entender a reviravolta provocada por Aby Warburg (1866-1929) na história da arte, podemos partir de Johann Winckelmann, a figura dominante dessa disciplina durante muito tempo. Em 1755, Winckelmann propôs um enunciado que definiu a maneira como passamos a compreender a arte clássica grega: “O caráter geral que distingue as obras-primas gregas são a nobre simplicidade e a grandeza serena, tanto na postura quanto na expressão. Assim como as profundezas do mar se mantêm calmas em todos os momentos, por mais enfurecida que esteja a superfície, também a expressão, nas figuras dos gregos, mesmo no seio das paixões, exibe uma alma sempre grandiosa e sempre impassível.”

Os trabalhos de Warburg alteraram profundamente essa percepção, ao destacarem a representação do movimento. Segundo ele, o que predominou na Antiguidade não foi o corpo imóvel e bem equilibrado, e sim o corpo tomado por um jogo de forças que o ultrapassava, que o fazia aparecer com os membros retorcidos na luta ou dominados pela dor, com os cabelos soltos e a roupa esvoaçando sob o efeito da corrida ou do vento.

Ao insistir mais nos fenômenos de transição do que no tratamento dos corpos em repouso, mais naquilo que divide a figura do que naquilo que a unifica, mais no devir do que na forma imóvel, Warburg inverteu os princípios da estética clássica e a hierarquia das artes que dela procede: no lugar do modelo fornecido pela escultura, pôs o da dança, enfatizando a dimensão cênica e temporal das obras.

As ideias de arte e de história passaram por uma reviravolta decisiva. Os artistas do Renascimento não haviam preservado nas formas antigas uma associação entre a substância e a imobilidade, privilegiando o ser em relação ao devir. Ao contrário, haviam reconhecido uma tensão. Suas obras levam a marca de uma força que não é de harmonia, mas de contradição, uma força que mais desestabiliza do que unifica as figuras.

À luz da análise de Warburg, a divindade serena que servia de modelo ao belo ideal transforma-se em mênade de gestos convulsivos e de violentos arrebatamentos: “Essas mênades dançantes, conscientemente imitadas, surgidas pela primeira vez nas obras de Donatello e de Fra Filippo, redefinem o estilo antigo, ao exprimirem uma vida mais movimentada, a vida que anima a Judite, o anjo Rafael que acompanha Tobias, ou ainda a Salomé dançante, essas figuras aladas que alçaram voo dos estúdios de Pollaiuolo, Verrocchio, Botticelli ou Ghirlandaio.”

Nietzsche tinha dado a fórmula dessa mutação, vinte anos antes, ao descrever a irrupção das forças dionisíacas na equilibrada simetria apolínea. Uma potência extática brotava no seio da concepção contemplativa do mundo; dessa contradição aberta deveria nascer a tragédia ática, a mais rematada realização da cultura grega. Warburg fez dessa tensão a base da relação dos artistas modernos com o passado, revelando, sob a aparência límpida das obras da Antiguidade clássica, o conflito das duas forças antagônicas de que elas provieram e que as condicionou.

“A renovação da Antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu” traz todos os textos publicados por Aby Warburg em vida. Torna-se, desde já, referência definitiva para os estudos das humanidades no Brasil.

COMPRE AQUI

Estudando História da Arte?

Conheça mais sobre o que o Lendo a História da Arte pode te oferecer:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: