Diante do tempo: passado e presente se encontram para Didi-Huberman

Como o assunto da semana é a História da Arte pela perspectiva de Georges Didi-Huberman, aqui vai uma reflexão básica do autor. Para ele, se estamos diante da imagem, estamos diante do tempo, no vão de uma porta aberta, na soleira da porta, nesse espaço de entremeios.Quando vemos uma obra do passado, podemos ver nelaContinuar lendo “Diante do tempo: passado e presente se encontram para Didi-Huberman”

Diante do tempo de Georges Didi-Huberman

No livro Diante do tempo, Georges Didi-Huberman explora a História da Arte por uma perspectiva anacrônica, ou seja, que não tem um começo, meio e fim. A arte é entendida então não como evolutiva. O que veio antes, não é necessariamente pior ou menos evoluído do que o que veio depois. Nós não evoluímos naContinuar lendo “Diante do tempo de Georges Didi-Huberman”

A desconstrução do corpo na arte moderna

Como o assunto da semana é o corpo na arte moderna e contemporânea, aqui vai uma reflexão do livro O corpo impossível, de Eliane Robert Moraes. No livro, a autora defende que o corpo foi muito explorado a partir da arte moderna pelo desejo de também o destruir. Mas a destruição nunca era completa, sempreContinuar lendo “A desconstrução do corpo na arte moderna”

O corpo na arte moderna e contemporânea

No livro O corpo impossível, Eliane Robert Moraes explora a estética desumana que surgiu através da experiência de guerra que tivemos no século XX.A autora aborda principalmente o surrealismo e a decomposição humana, mas também artistas e escritores que vieram antes desse período. No livro o ser humano é pensado diante do animal, dos seres imagináriosContinuar lendo “O corpo na arte moderna e contemporânea”

Cubismo e a desconstrução do espaço

Como o assunto da semana é o espaço na arte moderna, aqui vai uma reflexão do autor Alberto Tassinari sobre a maior contribuição do movimento cubista, a decomposição do espaço. O cubismo foi, para o autor, o primeiro exemplo de que a arte moderna era diferente do naturalismo, que retratava as coisas tal e qualContinuar lendo “Cubismo e a desconstrução do espaço”

O espaço na arte moderna

No livro O espaço Moderno, Alberto Tassinari explora a negação do espaço da arte moderna, a negação da perspectiva. É um autor que defende que a arte moderna ainda não acabou, que estamos vivendo um período de desdobramento, onde antes de 1955 tínhamos uma fase de formação.Tassinari define como um marco para pensar o espaçoContinuar lendo “O espaço na arte moderna”

Sobre o nosso costume com o horror

Folheando mais uma vez o livro do Archer “Arte Contemporânea uma história concisa”, essa frase novamente chamou a atenção.Ela fala muito sobre o nosso costume com o horror que encontramos todos os dias nos noticiários.Archer escreveu ela refletindo sobre uma uma declaração do artista Andy Warhol em 1963: “Era Natal ou o Dia do TrabalhoContinuar lendo “Sobre o nosso costume com o horror”

Aby Warburg: Histórias de fantasmas para gente grande

Aby Warburg (1866-1929) mudou o jeito como olhamos para a arte e acultura. A História da Arte nunca mais foi a mesma depois que publicou a sua tese sobre a antiguidade pagã. Essa edição da Companhia das Letras traz textos fundamentais para entender o pensamento de Warburg, desde o clássico O nascimento de Vê eContinuar lendo “Aby Warburg: Histórias de fantasmas para gente grande”

4 artistas do livro VIDAS DOS ARTISTAS de Vasari

Essa semana falei sobre o livro VIDAS DOS ARTISTAS de Giorgio Vasari, então vai aqui 4 artistas presentes no livro. Destaco Properzia de Rossi, única mulher nessa primeira edição do livro, de 1550. Vasari acreditava no progresso e desenvolvimento da arte, e para ele, Michelangelo representava esse ápice. Nada poderia surgir de melhor a partirContinuar lendo “4 artistas do livro VIDAS DOS ARTISTAS de Vasari”

Vida dos artistas

VIDA DOS ARTISTAS ou A vida dos mais excelentes arquitetos, pintores e escultores italianos, de Cimabue aos nossos dias, é um clássico da História da Arte. Sua primeira edição é de 1550, alguns anos depois Vasari fez uma nova edição com adições, mas no Brasil temos a tradução da primeira versão. Vasari foi um dosContinuar lendo “Vida dos artistas”