O que é arte contemporânea

Reflexões de Michael Archer Michael Archer em seu livro Arte Contemporânea uma história concisa, começa refletindo sobre como hoje parece não existir nenhum material em particular que seja reconhecido como material de arte, pois na contemporaneidade, além de tinta, metal e pedra, são utilizados ar, luz, som, palavras, pessoas, comidas e tantas outras coisas. OContinuar lendo “O que é arte contemporânea”

A vertigem das imagens ou o excesso delas

A historiadora da arte Camille Paglia em seu livro Imagens Cintilantes reflete sobre a vertigem de imagens que temos acesso na contemporaneidade. Você já parou pra pensar quantas imagens vê todos os dias? Quanto tempo reserva para cada uma delas? Isso não é um julgamento, até porque eu mesma tenho pouca paciência no meu diaContinuar lendo “A vertigem das imagens ou o excesso delas”

Histórias Afro-Atlânticas do MASP

Nos últimos anos, o MASP (Museu de Arte de São Paulo), tem feito exposições que contam diferentes histórias. Esse aqui é o catálogo, Vol. 1, da exposição Histórias Afro-Atlânticas, que aconteceu em 2018. Conta com os textos críticos e curatoriais de apresentação, mas o mais incrível são todas as imagens das obras.  Cobre com maestria todaContinuar lendo “Histórias Afro-Atlânticas do MASP”

Arte virtual: da ilusão à imersão – Oliver Grau

Procurando uma referência para pensar a arte e a tecnologia? Achou! Oliver Grau escreveu Arte Virtual, claro que a publicação de 2007 não engloba os famosos e polêmicos NFTs, mas continua sendo um ótimo texto. O autor pensa a arte virtual frente à história da arte e a questões de ilusão e realismo. O livroContinuar lendo “Arte virtual: da ilusão à imersão – Oliver Grau”

Como surgiu a ideia do Pesquisa em História da Arte

A ideia de escrever um Guia sobre Pesquisa em História da Arte surgiu faz mais ou menos uns dois anos. Mas até então eu não tinha encontrado o tempo e a energia para colocar em prática. Foi preparando uma apresentação para uma turma de graduação sobre esse tema que eu percebi que já tinha materialContinuar lendo “Como surgiu a ideia do Pesquisa em História da Arte”

Mitos, Emblemas, Sinais de Carlo Ginzburg

O historiador da arte poderia ser um tipo de Sherlock Holmes? No livro Mitos, Emblemas, Sinais, o historiador Carlo Ginzburg discute o método indiciário, onde o historiador da arte é um detetive que analisa pormenores das obras, para enfim, recompor o todo.  Lembra de como a tendência à criminalização levou a sociedade moderna a adotar meiosContinuar lendo “Mitos, Emblemas, Sinais de Carlo Ginzburg”

Motivos pessoais que me fizeram criar o guia Pesquisa em História da Arte

A ideia para colocar em prática o guia de Pesquisa em História da Arte surgiu faz mais de dois anos. Mas eu acabava adiando esse projeto. Agora que ele está pronto, quero compartilhar os dois principais motivos que me fizeram criá-lo: Quero que o processo de pesquisa seja o mais leve possível para quem esteja começando ouContinuar lendo “Motivos pessoais que me fizeram criar o guia Pesquisa em História da Arte”

Aby Warburg e a Renovação da Antiguidade pagã

Este livro compila os principais textos de Aby Warbug traduzidos para o português. “A renovação da antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu” é um compêndio de quase 700 páginas de textos mais “simples” aos mais complexos do pensamento de Warburg. O pensamento de Warbug influenciou o pensamento dos historiadores a partir doContinuar lendo “Aby Warburg e a Renovação da Antiguidade pagã”

Lançamento do guia Pesquisa em História da Arte!

O guia Pesquisa em História da Arte chegou! Seria bom se você soubesse como definir, delimitar e escolher um tema de pesquisa? Seria legal conhecer opções para aumentar seu repertório, saber onde fazer pesquisas mais assertivas e encontrar referências de qualidade? Seria bom fazer exercícios para definir o seu sumário, entender seu tema, definir palavras-chave?Continuar lendo “Lançamento do guia Pesquisa em História da Arte!”

Arte Moderna de Argan

O livro Arte Moderna de Giulio Carlo Argan é um ícone para pensar a arte desse período. Foi publicado pela primeira vez na Itália, em 1970 e segue um padrão mais ou menos assim: Possui um texto sobre um movimento moderno, apresentando ideias, conceitos, fatos importantes e reflexões seguido de textos mais curtos, apresentando osContinuar lendo “Arte Moderna de Argan”